Natura vê vendas brutas avançarem no Brasil no segundo trimestre revertendo tendência de queda

Natura vê vendas brutas avançarem no Brasil no segundo trimestre revertendo tendência de queda
A gigante da venda direta Natura, divulgou os seus resultados para o segundo trimestre de 2016. A receita líquida consolidada da companhia no período somou R$ 2.026 bilhões, um avanço de 5% na comparação com o mesmo período de 2015. A operação da empresa no Brasil conseguiu avançar 1,2% na sua receita bruta, revertendo a tendência de queda dos últimos seis trimestres. Entretanto, o pesado aumento na carga tributária do setor anulou o ganho e a receita líquida da operação brasileira retraiu 2,3%. Por aqui, os volumes apresentaram uma retração de 11%, que foi compensado pelo aumento de 14,7% do preço médio, fruto do aumento de preços realizado no período e otimização do esforço promocional. Sobre o desenvolvimento de novos canais, a empresa disse que os resultados da linha SOU no canal de farmácias são positivos e até 31 de julho a marca estará em 1.278 lojas da Raia Drogasil. No Rede Natura, o canal on-line da empresa, o crescimento de receita é de dois dígitos, com 70 mil franqueadas digitais (32 mil no segundo trimestre de 2015) e 950 mil consumidores cadastrados.

Nas operações internacionais, que hoje respondem por 32% da receita líquida ante 27% no segundo trimestre de 2015, foi mantido o ritmo de crescimento em moedas locais na América Latina e em dólares australianos, para a operação da Aesop, respectivamente 33,3% (20,4% em R$) e 47,4% (49,2% em R$). No caso da Aesop, que encerrou o trimestre com 157 lojas em 19 países, o crescimento no conceito de mesmas lojas foi de 17%.

O EBITDA consolidado da Natura totalizou R$ 345 milhões no período, 3,5% menor que no segundo trimestre, puxado por uma retração de 11,4% do EBITDA no Brasil, explicada principalmente pelo aumento da carga tributária que alcançou 31,3% no segundo trimestre deste ano, ante 28,8% no mesmo período de 2015, e pelo impacto desfavorável do câmbio no custo dos produtos vendidos. O lucro líquido no período foi de R$ 91 milhões, 22% menor que no segundo trimestre de 2015.