Confira os argumentos de Atualidade Cosmética para todas as indicações das categorias de empresa e profissional do 26º Prêmio Atualidade Cosmética

Confira os argumentos de Atualidade Cosmética para todas as indicações das categorias de empresa e profissional do 26º Prêmio Atualidade Cosmética
Confira abaixo os argumentos da redação de Atualidade Cosmética para a indicação das empresas e profissionais finalistas do 26º Prêmio Atualidade Cosmética.


PROFISSIONAL DO ANO

João Paulo Ferreira: mesmo a melhor equipe não conseguiria fazer uma máquina como a Natura funcionar como vem funcionando hoje, sem alguém capaz de conectar todos os pontos, dar liberdade às equipes para trabalhar, mas sempre cobrando respostas para garantir a resolução das questões ou a execução das ideias apresentadas. Além, é claro, de ter habilidades políticas para propor as mudanças necessárias aos acionistas e ao conselho da empresa e ter o respeito para convencê-los a abraçá-las. Esses são alguns dos motivos que nos levaram a indicar também, o nome do CEO da Natura, João Paulo Ferreira, para concorrer ao Prêmio Atualidade Cosmética de Profissional do Ano que, de acordo com as nossas pesquisas e consultas, teve o mérito de dar à Natura, um nível de objetividade e praticidade que tem permitido à empresa seguir executando com maestria suas ações e desenvolvimentos, mas com uma agilidade nunca vista em anos recentes pela Natura, e que era, aliás, um reconhecido calcanhar de Aquiles da companhia

José Vicente Marino: Desde que foi apresentada ao mercado, a Flora viveu ciclos de gestão marcada por muitos investimentos, mas que pareciam não levar ao lugar planejado por seus acionistas que, insatisfeitos, mudavam a equipe em busca de uma nova solução para o negócio. Algumas das fontes consultadas relataram algumas dúvidas na sua indicação, ao questionar se, por ter vindo de uma empresa como a Natura, daria conta de colocar nos trilhos um negócio que há tempos batia cabeça. Em meio a todo esse cenário, foi preciso lidar não só com a crise econômica que assola o País, mas, também com o próprio ?tsunami? que se abateu sobre os controladores da Flora, a família Batista, por meio de sua holding de investimentos J&F. José Vicente conseguiu lidar com a situação de forma firme e não só manteve a empresa no prumo, como conseguiu modernizar várias de suas principais marcas e resgatar a rentabilidade da companhia. Mais importante, trabalhando principalmente com a equipe que já estava na Flora.

Marcel Szajubok: Startar do zero um negócio com um portfólio de alta tecnologia e valor agregado de produtos para a pele, e fazer com que esse negócio ganhe escala a ponto de posicioná-lo como um dos maiores do mercado no seu canal de distribuição, com uma marca jovem, pouco conhecida do grande público e com produtos de preço superior a de marcas de luxo globalmente reconhecidas, é um desafio. Marcel conseguiu elevar o negócio da Jeunesse, em pouquíssimo tempo, ao mesmo patamar de valor de operações muito maiores em termos de estrutura e canal. Apesar de o modelo de multinível permitir o ganho rápido de escala, o crescimento da Jeunesse se deu mais por um trabalho de captação e capacitação de pessoas de nível intelectual mais alto, capazes de entender os valores por de trás da marca, do que pelo recrutamento de líderes e redes já estabelecidas. Reflexo da missão bem sucedida até aqui é a ampliação das responsabilidades do executivo para novos mercados além do Brasil.


EMPRESA DO ANO

Flora: A dona das marcas Francis, Ox e Albany, entre outras, tem um ano para comemorar. Primeiro, pelo fato de estar firme. E isso não apenas por conta da crise econômica que assola o País, mas pelo próprio ?tsunami? que se abateu sobre os controladores da Flora, a família Batista, por meio de sua holding de investimentos J&F. A empresa, que desde a sua fundação vivia processos contínuos de mudanças na gestão, ajustes e reorganizações, conseguiu sair fortalecida daquela que foi, sem dúvida, a maior crise com qual a direção da empresa teve que lidar: problemas de crédito, possibilidade de venda, reputação corporativa no nível do pré-sal... O quadro era sombrio. Para sorte da Flora, e do mercado, a diretoria que teve de lidar com a situação era, sem sombra de dúvidas, a mais experiente a já ter comandado a companhia em sua curta história. Isso foi fundamental para que a empresa se mantivesse em pé, e que o negócio, em pouco tempo, tenha sido estabilizado. Acreditamos que frente a todo esse contexto, ter conseguido essa estabilidade, somado a uma reorganização dos canais de distribuição e a uma melhora nos resultados da companhia via aumento de preço de algumas marcas, representa uma bela conquista.

Natura: Foram muitos trimestres de esforço para fazer a empresa retomar market share no mercado local, a cereja do bolo de um trabalho muito mais amplo e que finalmente permitiu a gigante da venda direta reocupar espaços que havia perdido ao longo dos últimos anos. A empresa parece ter conseguido equilibrar os seus valores e cultura peculiares ? fortemente bancada pelos seus principais acionistas ? com a necessidade de expandir os horizontes da comunicação e do portfólio da marca. O resultado disso é uma empresa mais viva, intensa e colorida do que nunca, seja em seu portfólio de produtos ? que ganhou muito em diversidade e ousadia, especialmente na perfumaria ? quanto na comunicação, modernizando o discurso da marca para abarcar as diferentes vozes e anseios dos novos consumidores, que querem se expressar e valorizar a sua beleza natural. A agilidade na tomada de decisões e nos desenvolvimentos também merece destaque. A Natura é realmente uma empresa nova nesse particular hoje em dia. Também levamos em conta, obviamente, os avanços na venda direta, com as mudanças de modelo de remuneração e a digitalização da rede que, no caso da Natura, vai muito além da loja virtual Natura de cada revendedor, para inseri-la verdadeiramente numa nova cultura.

Salon Line: Poucas marcas têm sido tão faladas e influentes no mercado quanto a Salon Line, que continua em um ritmo frenético de lançamentos, inclusive de novas marcas, embora, é verdade, que nos últimos tempos, os lançamentos não venham sendo tão assertivos quanto foram em 2015 e 2016. De qualquer forma, é salutar olhar para a empresa que se converteu numa referência para o movimento das cacheadas seguir no mercado de forma consistente, estruturada e olhando cada vez mais para suas formulações, relançando algumas das suas principais marcas com novos apelos e tecnologias, focando na entrega efetiva dos benefícios dos produtos, mais do que em gerar buzz nas mídias sociais. A distribuição da empresa se manteve redonda, abrindo mais espaço em canais importantes como as grandes redes de supermercados e drogarias, além de reforçar a disposição para desbravar canais alternativos pouco explorados pela indústria de beleza, como os grandes armarinhos. Destaque também para a nova comunicação da Salon Line e das suas principais marcas, no que nos parece ser uma nova onda na solidificação da marca.


EMPRESA REVELAÇÃO

Bioage: Com um modelo de negócios cheio de inovações e focado no profissional de saúde, beleza e bem-estar da pele, a fabricante de produtos de tratamento para a pele tem se destacado no mercado. É um modelo que envolve todos os elos da cadeia e que pôde potencializar e facilitar o trabalho com seus produtos junto a esses profissionais, além de oferecer os tratamentos da marca para os seus clientes, sem que para isso ele precise investir em estoque. Com isso, demonstraram entender as dificuldades desse profissional e criaram mecanismos para facilitar, com o objetivo de deixá-los atuando praticamente como um prescritor. Ao mesmo tempo, a Bioage optou pelo modelo de franquias e são elas que atendem a toda a rede, já que estão distribuídas por todo o Brasil. Sem falar que a empresa tem investido cada vez mais em produtos em termos de eficácia, com itens altamente tecnológicos e com muita qualidade. Sendo assim, a Bioage tem crescido de forma sólida e constante.

Odorata: A empresa goiana de venda direta é caso raro em seu estado de origem. Na terra da venda por catálogo via distribuidores, a Odorata optou pelo modelo de venda direta clássico. A Odorata não é uma de crescimento explosivo, que surpreende o mercado de sopetão, mas vem crescendo de forma constante e regular. Isso soou de forma bastante positiva para nós, uma vez que entendemos que o modelo de negócios adotado por vocês é, naturalmente, de crescimento mais orgânico, especialmente na fase de construção do canal. Isso nos leva a crer que existe alinhamento entre a proposta de valor da empresa e a forma como ela executa o negócio. Na seara dos produtos, temos visto um trabalho de destaque na categoria de perfumaria, além do foco em maquiagem, bastante importante para o sucesso da empresa, permitindo a ela um diferencial em relação a outras empresas da região, ao dar grandes espaço para uma categoria que ainda oferece muito espaço para crescer, especialmente para marcas que conseguem equilibrar bem uma boa oferta de benefícios com preço verdadeiramente competitivo para a consumidora média, justamente onde enxergamos vocês.

Yes! Cosmetics: Não se trata de uma empresa tão novata no mercado, já que são 18 anos de atuação. Nesse período, a Yes! viveu bons e maus momentos. Só que, atualmente, a Yes Cosmetics está numa nova fase após uma reorganização recente que a fez voltar a focar no negócio, numa expansão mais organizada e controlada, e que tem colocado o negócio nos eixos novamente. Em 2018, focou sua expansão para as regiões Sul e Sudeste, e tem apostado bastante nesta expansão via o canal de Franquias. Hoje, possui 60 unidades franqueadas em 17 estados. Tem redesenhado as lojas e suas linhas, uma modernização de portfólio bastante interessante em maquiagem e também na categoria de perfumaria. A exemplo de suas concorrentes nesta categoria, também é uma companhia que tem demonstrado, apesar de ter passado por altos e baixos ao longo de sua trajetória, ser uma empresa firme. E, nesse momento, parece oferecer uma boa base para crescer de forma sustentada nos próximos anos.


PONTO DE VENDA ESPECIALIZADO

Danny Cosméticos: Já são 40 anos de história de uma rede que apresenta um dos trabalhos mais consistentes entre as perfumarias brasileiras em sua atuação pelo interior de São Paulo. Acreditamos que vocês continuam a aproveitar muito bem as oportunidades que surgem para dar sequência ao seu plano de expansão, já extrapolado. Fator importante mencionado é o fato de a Danny Cosméticos estar sendo uma das redes que mais tem cuidado bem da questão da sucessão familiar dentro de sua gestão, tema que tira o sono de muitos varejistas do mercado de beleza, e, também, dos seus fornecedores. A rede também parece ter encontrado um caminho para o seu e-commerce, um tema difícil para as redes do varejo especializado no Brasil.

Lojas Lívia: Uma das mais bem administradas e consistentes redes de perfumaria do Brasil, a Lívia é o tipo de empresa que cresce sempre, ainda que menos do que outras redes em momento de expansão mais exuberante, por exemplo. Mas é a consistência que realmente chama atenção no sucesso da rede. A estratégia é muito clara, dominar o seu território, no caso, a cidade de São Jose do Rio Preto, no interior de São Paulo. E a empresa tem feito isso por 40 anos, a serem completados no início do próximo ano. No último mês de julho, a varejista inaugurou sua nova loja, no mesmo quarteirão onde o negócio começou. Com 3.500 m² é uma das maiores perfumarias do Brasil.

Mundo do Cabeleireiro: A rede de origem pernambucana foi a primeira a fechar negócio com um fundo de investimentos, a Vinci Partners, que tem investimentos em outras operações de varejo como a rede Le Biscuit e a operação brasileira do Burger King. Dominante em seu estado de origem, o Mundo do Cabeleireiro tem apostado forte em São Paulo, onde já conta com seis lojas, todas em shoppings, quatro delas inauguradas desde o final do ano passado, já sob um novo layout, mais moderno e que privilegia a navegação pelas prateleiras. O Mundo sempre foi das redes mais estruturadas do varejo de beleza e com um modelo de negócios bem definido, o que permite entender a entrada de um grande fundo como acionista.


PONTO DE VENDA DIGITAL

Beleza na Web: Não há como falar de varejo eletrônico de beleza brasileiro sem citar a Beleza na Web, uma das companhias que mais ajudou a desenvolver o trabalho do segmento no canal. Para manter sua condição e reforçar ainda mais sua posição como um puro player do varejo de beleza, a empresa segue investindo muito em tecnologias proprietárias e em geração de conteúdo, agregando novas marcas ao portfólio, inclusive de uma forma pró-ativa. Vale destacar o investimento de integração das unidades físicas ao e-commerce, com as lojas servindo como pontos de experiência, mas também como ponto avançado de distribuição. Ressaltamos ainda o trabalho de entendimento do consumidor e de logística, o que faz com que a rede tenha reconhecidamente uma das melhores execuções do e-commerce do País.

Época Cosméticos: Com uma posição bem definida no canal eletrônico já há alguns anos, a empresa tem dado sequência à estratégia de ampliação de portfólio, inclusive incorporando mais marcas de Higiene Pessoal e outras de Mass Market. Desta forma, para nós, ratifica uma estratégia clara de ser um player que tem a pretensão de cobrir toda a oferta de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumaria para o consumidor, valendo-se do fato de estar em um marketplace muito forte, que é o da Magazine Luiza, grupo ao qual faz parte desde 2013. Tal estratégia nos parece muito adequada e eles têm reforçado isso, além de também contar com uma estratégia comercial de preços, o que também é amplamente reconhecida no mercado e que possui um foco claro. Trata-se de um perfil e de uma estratégia que a Época Cosméticos executa muito bem.

Ikesaki.com.br:
A jornada do Grupo Ikesaki na web começou de fato há cerca de três anos, na primeira iniciativa de e-commerce, mas que depois de pouco tempo foi totalmente refeita, na metade de 2016. E a nova estratégia traz um entendimento que, por mais que o grupo tenha uma experiência de cinco décadas no varejo de beleza, as coisas são bem diferentes no digital. E a tradicional varejista tem entendido isso, já que tem incorporado profissionais que conhecem do universo digital, investido na plataforma e na integração digital. Com isso, tem conseguido ter destaque no canal eletrônico, sobretudo quando a comparação é feita entre as redes de perfumaria. E é importante destacarmos também como este processo está refletindo na modernização da comunicação da Ikesaki e na integração entre os canais físico e digital por parte da rede.

Compartilhe

Comentários ()

© 2012 • Cosmética News. Todos os Direitos Reservados • Desenvolvido por Index Software

Voltar ao topo